Pesquisa 32

RELATÓRIO PARCIAL DE PESQUISA PÓS-DOUTORAL

 

A) TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA:

MARCADORES DE PESSOA E SISTEMA DE CASO EM TERENA

 

B) NOME COMPLETO DO COORDENADOR DO PROJETO E DOS INTEGRANTES DA EQUIPE EXECUTORA:

 

VALÉRIA FARIA CARDOSO – COLABORADORA (BOLSISTA PÓS-DOUTORAL/UNEMAT – CAPES/PNDN


Prof. Me. Celso Abrão dos Reis (UEMS/CAPES/CEPAD)

A palestra foi constituída pela perspectiva AD Orlandiana, analisando-se alguns discursos sobre o “tema” (RODRIGUES) Integração Bioceânica Atlântico-Pacífico,


Palestras sobre Políticas Públicas Anti-drogas.

 

As professores Maria de Souza Rodrigues e Irenilda Angela dos Santos (UFMT) proferiram palestras para o curso de Letras da UEMS Campo Grande-MS.

Elas atuam nos cursos de graduação e Mestrado em Assistência Social da Universidade Federal de Mato Grosso - Cuiabá.

Elas desenvolvem pesquisas de pós-doutoramente junto ao Mestrado Acadêmico em Letras.

 

Resumo:

 

As discussões e debates para a consolidação da Política Nacional sobre Drogas tiveram início em junho de 2004, quando a Secretaria Nacional de Álcool e Drogas - SENAD - promoveu o Seminário Internacional “Políticas Públicas sobre Drogas”, com a participação dos países, Canadá, Holanda, Itália, Portugal, Inglaterra, Suécia e Suíça. Na ocasião, os participantes apresentaram síntese das políticas sobre drogas adotadas por seus respectivos governos, pontuando avanços e desafios enfrentados.

Posteriormente a SENAD em parceria com os Conselhos Estaduais Anti-Drogas/Entorpecentes, realizou seis fóruns regionais nas cidades de Florianópolis, São Paulo, Salvador, São Luís, Manaus e Campo Grande/MS, que compreende as regiões Sul, Sudeste, Nordeste 1 e Nordeste 2, Norte e Centro-Oeste, com apoio dos respectivos governos.

O Fórum Nacional sobre Drogas, a partir das contribuições resultantes do Fórum Internacional e discussões extraídas dos Fóruns Regionais consolida o realinhamento da Política Nacional Anti-Drogas vigente a partir de 2001.

A consolidação da Política Nacional sobre Drogas/2005 traz como prerrogativa a descentralização, democratização e a intersetorialidade das ações nos municípios brasileiros, que implica aos gestores das diferentes esferas e da política pública sobre drogas, bem como a sociedade, assumirem compromisso conjunto ao enfrentamento das grandes e crescentes demandas que envolvem a questão.

No cenário brasileiro e internacional Mato Grosso é visto como um Estado que se encontra na rota de escoamento da cocaína, maconha e outras Drogas. Mas também há que se considerar a dimensão territorial, com largas fronteiras secas e divisa com países produtores de drogas. Tais circunstâncias contribuem para o agravamento crescente dos índices de violência, de criminalidade e na disseminação do uso e abuso de drogas em todas as camadas sociais que desencadeia a dependência de substâncias psicoativas e suas consequências.

A problemática do uso de drogas sobrecarrega as instituições governamentais e não governamentais com prejuízos incalculáveis a esfera pública e civil. As famílias vivenciam o adoecimento doméstico desencadeado pelo familiar adicto às drogas lícitas e ilícitas, que assume um caráter epidemiológico e implica em elaborar, implementar e se efetivar política pública.

Frente a todas estas considerações o Governo de Mato Grosso entendeu ser primordial a construção de uma Política Estadual sobre Drogas, ao procurar refletir e discutir a questão, no sentido de desencadear o processo de formulação desta Política, consubstanciada nas recomendações e parâmetros da Política Nacional sobre Drogas - PNAD - de 27 de outubro de 2005. Nesta perspectiva, determinou que procedesse a sua formulação realinhada à PNAD, porém em consonância com a realidade mato-grossense.

Sob essas bases, o Governo atribuiu à Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos/SEJUDH desenvolver ações que subsidiasse a construção e a implantação da Política Estadual sobre Drogas.

O Conselho Estadual de Políticas sobre Drogas - CONEN, por meio de sua Coordenadoria Executiva de Políticas sobre Drogas - COAD, vinculado a SEJUDH, enquanto órgão executivo, desenvolve atividades e ações com objetivo de articular, fomentar, financiar, acompanhar, capacitar, monitorar e avaliar as organizações governamentais e não governamentais na sociedade referente às ações de políticas sobre drogas, bem como a operacionalização de todo o processo de elaboração da Política Estadual sobre Drogas.

Desta feita, a COAD/MT/SEJUDH contratou com dispensa de licitação a UFMT por meio de sua interveniente Fundação de Apoio e Desenvolvimento da Universidade Federal de Mato Grosso - UNISELVA, para realizar a Pesquisa 131CAP/2011/PROPEQ “O Desvelar da Realidade do Atendimento aos Usuários de Drogas em Mato Grosso” e dentro deste processo de investigação na tipologia de Pesquisa Ação reelaborar o projeto; efetivar a negociação entre proponente/contratante (COAD/MT), contratada UFMT; construção dos 06 (seis) instrumentais de coletas de dados; planejamento e realização dos 15 Fóruns Regionais e do Estadual e demais etapas contidas no referido projeto.

Ressalta-se que o presente estudo teve como objetivo geral investigar a realidade acerca das drogas para subsidiar a elaboração e implantação da Política Estadual sobre Drogas em Mato Grosso - PEAD/MT. Este se desdobrou em quatro objetivos específicos: investigar a realidade das Instituições que trabalham com a temática - drogas em Mato Grosso; realizar 15(quinze) fóruns regionais e 01(um) Estadual voltado ao desvelar realidade sobre drogas em MT; apresentar a Política Nacional sobre drogas (PNAD) nos fóruns regionais; contribuir na construção e implantação da Política Estadual sobre Drogas em Mato Grosso.

A formulação da Política Estadual sobre Drogas exigiu esforços compartilhados entre todas as esferas do poder público e da sociedade, voltados aos eixos da PNAD: prevenção, tratamento, recuperação e reinserção social, redução de danos sociais e à saúde, a redução da oferta de drogas e estudos, pesquisas e avaliações que proporcionou um olhar sobre as experiências, reflexões e posicionamentos resultantes dos 15 Fóruns Regionais e 01 Fórum Estadual que, efetivamente contribuiu no apontamento às novas dimensões e diretrizes para com o objeto de estudo - as drogas no Estado.

Uma Política Pública constitui referencial fundamental para elaboração de planejamento, programas, projetos e pesquisas na realidade para a qual foi construída, no caso Mato Grosso e deve ser reformulada de acordo com o período estipulado pela instituição. Por outro lado uma política não se elabora sem dados, e a COAD/CONEN/MT com a referida pesquisa deu o primeiro passo nesta direção para subsidiar a elaboração da Política Estadual sobre Drogas.

Enquanto equipe Científica e Executiva dos Fóruns e Pesquisa/UFMT, corroborada no discurso do Promotor de Justiça Paulo Jorge do Prado no 11º Fórum Regional do Consórcio Intermunicipal de Desenvolvimento do Vale do Arinos, em Juara/MT, torna-se necessário, além desta, outras pesquisas no sentido de elucidar os eixos da proposta da Política Estadual sobre Drogas, bem como o usuário e sua família, com financiamento advindo das instituições, uma vez que a pesquisa implica em custos elevados, tempo, planejamento, disponibilidade, qualificação dos pesquisadores e demais atores envolvidos no processo.

Nesta direção, a equipe científica da Universidade Federal de Mato Grosso apresenta os resultados da pesquisa “O Desvelar da Realidade acerca das Drogas em Mato Grosso”.

O tema da Pesquisa foi grandioso, ousado e gerou grandes expectativas e teve como finalidade contribuir na elaboração da Política Estadual sobre Drogas e não verificar quais e quantos são os seus usuários em Mato Grosso. Os dados obtidos no decorrer da investigação, serão apresentados conforme cada eixo da Política Nacional Sobre Drogas - PNAD, especialmente a prevenção e o tratamento.

 


Nesta quarta-feira, às 14 horas, na FUNDECT, reuniram-se o Diretor Presidente, Prof. Dr. Davi José Bungenstab, Diretor Científico Prof. Dr. Márcio de Araújo Pereira, juntamente os coordenador do NUPESDD, Prof. Dr. Antonio Carlos Santana de Souza, coordenador do NEAD, Prof. Dr. Marlon Leal Rodrigues e o Prof. Me. Ricardo Leite de Albuquerque.


“poucos alunos defendem a dissertação de mestrado com um grau de maturidade intelectual igual a do João Paulo, para o Mestrado e para nós é um privilégio ler esta dissertação, só não aprovamos com louvor porque não há mais no regulamento, é uma pena”.

O CEPAD parabeniza João Paulo Oliveira pela conquista de muitas outras que viram.


O SUJEITO E SEUS INTERDITOS: A MARCHA DAS VADIAS

Terça, 02 Fevereiro 2016 00:00 Written by

 

A proposta deste trabalho é investigar (refletir) a forma como “sujeitos” (ORLANDI, 2012), tidos como marginalizados ou marginais aos “discursos” (idem) circulantes na sociedade, se constituem e são constituídos a partir do “sentido” (PÊCHEUX,1999) de sua resistência às posições de consenso/estabilizadas, discurso do senso comum. Nesse sentido, os sujeitos participantes e inscritos, que na sua corporeidade ou discursivamente da “Marcha das Vadias” se apresentam como constitutivos/constituintes de um espaço material e simbólico de resistência discursiva a uma posição sujeito de consenso para a “discursividade” (ORLANDI, 2001) da mulher.

Nossa proposta pressupõe que as posições sujeito historicamente institucionalizadas são submetidas a constantes pressões que visam desestabiliza-las de um lado e ao mesmo tempo de outro no jogo das “tensões” (idem). Por outro lado, posições sujeito submetidas, no dizer de Orlandi (2012, p. 227) ao “processo de alienação”, resistem a esse processo. Se para Pêcheux (1999) era o “mau sujeito”, para Orlandi é o sujeito da resistência. 


Nesta sexta-feira (26/02), às 14:30h a Profa. Michelli Fernanda de Souza defendeu sua dissertação, Mestrado Acadêmica da UEMS de Campo Grande, pesquisa titulada de “Discursividade sobre Violência Física e Simbólica no Ambiente Escolar”. O trabalho foi orientado pelo Prof. Dr. Marlon L. Rodrigues, a banca foi composta, além do orientador, pela Profa. Dra. Nara Maria de Fiel Quevedo Sgarbi (UNIGRAN), Prof. Dr. Antonio Carlos Santana de Souza (UEMS/CEPAD).  

A pesquisa abordou os discursos sobre violência física e simbólica na escola, considerando o ambiente escolar é marcado por sua historicidade, espaço que se constitui de práticas discursivas e não discursivas cujo objetivo está voltado para formação do cidadão a partir de um conjunto de saberes e conhecimentos, no entanto, a escola tem sido um lugar de “constrangimento, violência, coação, força física, agressão moral” etc. A escola não está imune aos discursos que circulam socialmente, pois a escola é um dos espaços que compõem o sentido de sociedade.

 

Em breve a dissertação estará disponível no site do Mestrado Acadêmico.


 Local: UFMT – Cuiabá-MT

Data: 16/08/2016

 

 CARLA ALEXSANDRA DO CARMO RIBEIRO


A proposta deste trabalho é identificar a eficácia ideológica dos interdiscursos (Pêcheux, 1997) sobre educação escolar indígena presentes nos discursos (Pêcheux, 2002) materializados por meio de redações realizadas por professores  e/ou gestores indígenas, participantes do Processo Seletivo para a Licenciatura Intercultural Indígena ocorrido em  2010 ,pela UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados)  a partir das  concepções de sujeito de Pêcheux , (1997),quando,  em "Semântica e Discurso",  afirma que o lugar do sujeito não é vazio, sendo preenchido por aquilo que ele designa de forma-sujeito, ou sujeito do saber de uma determinada Formação Discursiva (FD), levando em consideração o contexto discursivo e a situação histórico-social em que se deu a produção dos textos ,  as ideias de poder e  resistência advindas de  Foucault(1979) e a identidade desses professores, na perspectiva de Bakhtin (2006), como sendo   representação  imaginária, instaurada na memória discursiva( Pêcheux,1999), pois para os povos indígenas a questão da identidade é  algo forte e se mescla com cultura, com a tradição dos povos, com a preservação da língua de berço, mas , também ,com o desejo de acessar a “outra língua” ,a segunda língua  que é a portuguesa e,assim a identidade desse “eu” é estabelecida de forma complexa linguisticamente, ou seja, em um processo discursivo nas variadas esferas de suas atividades.

 

Este trabalho ainda objetiva desvendar os efeitos de sentido (Pêcheux, 1997) oriundos das redações no que concerne a como os professores indígenas entendem a qualidade da Educação Escolar Indígena imprimida na reserva, como percebem a valoração (ou não) de suas culturas, o ensino a partir da realidade indígena que vivenciam, a educação a partir da família, o ensino da língua ,a relação educação indígena e educação escolar, entre outras temáticas que surjam do corpus.

Pesquisadora: Doutora Nara Maria Fiel de Quevedo Sgarbi (UNIGRAN/UEMS/NEAD/NEF)

 

 

Supervisão de Pós-Doutoramento desenvolvida por Prof. Dr. Marlon Leal Rodrigues

 

 


Página 1 de 3