CONVÊNIO SEMED/DED X NEAD - PROJETO MEMÓRIA DISCURSIVA DIDÁTICA PEDAGÓGICA

Convênios Written by  Domingo, 31 Janeiro 2016 00:00 font size decrease font size increase font size
Rate this item
(0 votes)

PROJETO MEMÓRIA DISCURSIVA DIDÁTICA PEDAGÓGICA

O presente projeto tem com objetivo registrar os “discursos” enquanto arquivo histórico e de uma outra perspectiva analisar os discursos sobre a “memória discursiva” (ORLANDI, 2001, PÊCHEUX, 1999) didática pedagógica constituída na relação “posição sujeito” (ORLANDI, 2012) professor de língua portuguesa e alfabetizador nas condições materiais de existência de sala de aula.

 

Essa memória discursiva diz respeito a construção histórica do professor em seu processo de individuação, entendido como uma história de vida no processo de individualização do sujeito professor. Essa singularidade – entendi com sujeito de RG e CPF - materializada em “práticas discursiva e não discursivas” em uma prática didática pedagógica que se encontra dispersa em “formações discursivas” (ORLANDI 2001) na posição sujeito aluno e a do próprio professor que se perdem no tempo e espaço caso não sejam registradas ou materializada em suportes que comportam textos escritos e/ou gravados. 

Uma das questões é que a despeito das discussões e orientações feitas e vinda da academia a partir de pesquisas e reflexão, há uma prática discursiva e não discursiva que se efetiva cotidianamente, construída na práxis da sala de aula do professor em que a diversidade de condições de produção da prática de sala se apresentam de toda forma, desde as “ideais” até as mais “precárias” dada a disparidade social e econômicas do país, estados e municípios, incluindo o tipo de projeto educacional que se estabelece e seus investimentos locais efetivos.

É possível considerar que em certa muita medida a memória discursiva didática pedagógica apresente “sentidos” (PÊCHEUX, 1997) inscritos a partir de valores culturais e práticas diferenciadas entre si que se pode nomear com sentidos ainda que precariamente de conservadoras ou progressistas. São práticas discursivas que expressam muito mais o sentido de ensinar do que propriamente uma orientação vinda da academia vias cursos de capacitação, semanais pedagógicas e ainda especializações.

Pode-se considerar que há uma historicidade discursiva didática pedagógica enquanto “acontecimento discursivo” (PÊCHEUX, 2002) que tente a ser absorvida pela espessura da memória, pois ela tenta a evitar que o novo se estabeleça ou mesmo que o acontecimento “singular” venha a ser capturado, se for possível significar que toda memória discursiva ao se estabelecer procurar evitar o acontecimento a sua volta ou mesmo um com significações diferentes das suas. É poder do estabelecido que se oficializa e se investe de poder, não se trata necessariamente de mérito e de sim de um jogo de poder.

As memórias didáticas pedagógicas podem ser significadas pelo estatuto da posição sujeito que a constitui, ou seja, registra-se a posição sujeito marcado por uma certa notoriedade que nem sempre está vinculada necessariamente ao sentido de singularidade, do fazer diferente. Basta observar muitos nomes de ruas, monumentos, prédios e até mesmo de escolas. O registro em muita medida é marcado pela posição política do que pela discursividade didática pedagógica de reconhecimento pela dedicação ao ensino enquanto projeto comprometido.

A memória discursiva que nos interessa não é marcada pela posição política de notoriedade do professor e sim daqueles que nomeamos precariamente com sentidos de “anônimos” do dia-a-dia, o que não quer dizer que ambas as posições não possam coincidir. Pode-se intuir que há uma prática discursiva e não discursiva juntamente com suas historicidades que se não registrada, e por isso tende a se perder na temporalidade de vida dos sujeitos sucumbindo enquanto acontecimento discurso na “ordem do político” (RODRIGUES, 2011) absorvido pelo efeito conservador da memória estabilizada.

Nesse sentido, a pesquisa sobre a memória discursiva sobre prática didática pedagógica se inscreve na Análise do Discurso – AD - de linha franco/brasileira por melhor atender as questões e problemáticas seja na constituição do corpus seja na forma de analisar a materialidade discursiva dos dados.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
Read 656 times Last modified on Quarta, 03 Fevereiro 2016 13:01